Um resumo e uma tradução sistêmica.

O livro retrata, por meio de uma fábula, o caminho de autodescoberta de um ser humano pela sua vida, especialmente aqueles identificados com o tema de um cavaleiro que está preso numa armadura. O cavaleiro é a pessoa, especialmente o homem, que passa sua vida tentando provar aos outros seu valor, bondade, gentileza e amorosidade lutando contra elementos externos usando uma armadura bela e bem polida.
A fábula conta sobre um cavaleiro que luta contra dragões e invade palácios para salvar donzelas em perigo (quer elas queiram ou não) e retorna para casa exausto, porém exultante de seus feitos. Tal é seu orgulho que ele cria uma identificação com a própria armadura a qual, apesar de dificultar seu contato com sua esposa e filho, passa a vesti-la em cada vez mais situações, até não tirá-la mais nem para alimentar-se ou dormir.
Quando reconhece, enfim, que a própria armadura é sua maior causa de separação das pessoas que ama, passa a procurar alguém que possa livrá-lo dela, já que chega a um ponto de não conseguir mais despir-se. Porém, nem mesmo o mais forte ferreiro do reino é capaz de extrai-la. É o bobo da corte que sugere que ele procure Merlin, o mago, para ajudá-lo.
Sempre desdenhoso da capacidade dos conselheiros, ainda assim resigna-se a procurar o mago, com coração partido por deixar esposa e filho, que já não aguentam mais a situação de não ter contato com o verdadeiro pai e marido. O cavaleiro fica anos vagando por florestas à procura de Merlin, até que, cansado e perdido, encontra-o.
Merlin alimenta-o com um elixir que chama de Vida e o faz entrar em contato com seus sentimentos mais superficiais. O cavaleiro nota o quanto desperdiçou sua vida, no que Merlin indica que tome a Trilha da Verdade. Mas observa: no caminho para a Verdade se interporão três castelos que precisam ser ingressados e ultrapassados. O Castelo do Silêncio, o Castelo do Autoconhecimento e o Castelo da Coragem e Ousadia.
Na medida que o cavaleiro inicia a percorrer o caminho, tem presentes dois amigos de Merlin: o esquilo e Rebecca, o pombo. Os três encontram o primeiro Castelo do Silêncio e o cavaleiro necessita ingressar só. Diante do profundo silêncio ele entra em contato com sentimentos mais profundos, o que o faz chorar e isto enferruja a viseira da armadura, o que o faz enxergar mais ampla e profundamente sua vida.
Ao encontrar a saída e egressar do castelo, há festa entre os três companheiros de viagem. A trilha prossegue até o Castelo do Autoconhecimento. Os três penetram juntos, pois o autoconhecimento é para todos. Inscrições, enigmas e um espelho são elementos para que o cavaleiro encontre conhecimento de si. O cavaleiro aprofunda-se e chora ainda mais. Isto enferruja seu elmo e este solta-se. Encontrando mais uma vez a saída dentro de si e, então, continuam a busca da Verdade.
No Castelo da Ousadia e da Coragem, à porta são recebidos por um dragão superior a todos os que o cavaleiro combateu sua vida toda. É o dragão do medo e da dúvida. Encorajado por seus amigos, o cavaleiro reconhece que é um dragão tornado real apenas pelos próprios medos e dúvidas, enfrenta-o com determinação, coragem e clareza. O dragão encolhe e desaparece. O cavaleiro perde grande parte da sua armadura, ficando apenas a parte que prende e protege seu peito.
A última parte do Caminho da Verdade é a escalada íngreme ao topo, onde o cavaleiro corta seus dedos e mãos nas pedras e fendas afiadas. Quando está próximo, mas muito debilitado, fraco e envelhecido, uma rocha se interpõe com a inscrição de que “Embora possua este Universo / nada possuo / pois não posso conhecer o desconhecido / se ao conhecido me agarro”. Necessita então largar tudo e deixar seu corpo cair no abismo. Mas à medida que cai e entra em contato com o profundo desconhecido, passa a subir e chega ao topo. No topo ele é Uno com o Todo e sente-se puro amor. Perde a última parte de sua armadura e reconhece que era bondoso, gentil e amoroso desde a origem, sem a necessidade de ter que provar isto a ninguém exteriormente. E então a história reinicia…
Curta um mapa sistêmico da obra:

One response

  1. Esse livro é simplesmente maravilhoso! Sempre indico aos meus clientes! ele colabora muito no processo do autoconhecimento, já que fala a linguagem metafórica do inconsciente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Abrir whatsapp